terça-feira, 7 de junho de 2016

Paralisação da Rede Estadual de MG Dia 10/06 – É hora de lutar contra a retirada de direitos e Contra Todos os Governos que nos Atacam

Vivemos um momento importante no nosso país e em nosso estado. Os governos, independente de quais partidos estejam   no poder (PMDB, PT, PSDB, etc.) buscam retirar direitos dos trabalhadores para colocar em nossas costas a conta da crise. Por outro lado os trabalhadores de diversas categorias e a juventude vem demonstrando por todo o Brasil, como a partir da luta independente das greves, ocupações e atos de rua podemos resistir as esses ataques.

Aqui em Minas a partir de muita pressão da categoria conseguimos que Pimentel não atrasasse mais ainda o acordo assinado no ano passado, que iniciou o ano descumprindo e não pagando o reajuste do MEC. Com muita luta revertemos isso, mas ainda não recebemos os retroativos, que foram aprovados em lei e garantidos que seriam pagos imediatamente.  Assim até o momento, temos vários pontos do acordo que não foram cumpridos, como o plano de carreira e uma série de ataques que o Governo está implementando. 

Vejamos: 


  • Atraso de salários de servidores há meses, que a SEE chama de verba retida.
  • Parcelamento dos salários
  • Verbas de projetos e até de merenda retidas,
  • Não pagamento do retroativo,
  • Ameaça de terceirização dos ASBs,
  • Descumprimento do acordo de greve da SRE (que daria 8% em abril para servidores SRe e ATbs) entre outros.
  • Extinção de vários cargos na Educação e em outras áreas do serviço público, no projeto de lei PL 3517/2016 enviado a ALMG. Descreve a extinção de 12 mil cargos de professores e 36 mil cargos de ASB. 

 Fora isso Pimentel segue envolvido em várias denuncias de corrupção que envolvem relações promiscuas com empreiteiras que financiaram sua campanha e quer dar na mão dessas mesmas empreiteiras a educação no estado a partir das PPP’s (Parcerias Publico privadas) que seguem em processo de implementação.

Em âmbito nacional a situação também é grave. O programa anunciado por Temer, vice de Dilma e agora no poder, prevê ataques aos direitos sociais, contrarreformas na previdência, inclusive com a pretensão de jogar os recursos dessa diretamente no caixa do Banco Central e, na área trabalhista, a tentativa de extinção do Ministério da Cultura (depois derrotado pelo movimento), um duro ajuste fiscal que busca impor o PL 257 e nas contas públicas, ataques ao funcionalismo e ao serviço público, mais privatizações e uma criminalização ainda maior das lutas, dos ativistas e suas organizações, diversos destes ataques como a reforma da previdência e o PL 257 foram iniciados no governo do PT.

 A queda de Dilma e ascensão de Temer só foram possíveis porque o PT governou a serviço dos interesses do grande capital, utilizando-se de sua hegemonia no interior das organizações da classe trabalhadora para frear as lutas, desviar as mobilizações, cooptar lideranças e difundir a ideia de que é possível governar para ricos e pobres, para patrões e trabalhadores. Foi o PT que se aliou ao PMDB e aos setores do empresariado que agora eles acusam de golpistas, na verdade quem deu o golpe nos trabalhadores foram todos eles. 

Portanto temos que ir a luta contra todos os governos que atacam nossos direitos.  Nós do Movimento Educação e Luta MEL - CSP Conlutas, chamamos todos trabalhadores a paralisarem as suas atividades no dia 10 de Junho para defendermos nossos direitos. Mas exigimos que a direção Estadual do SindUTE não tente transformar essa paralisação em um movimento em defesa de Dilma e do PT. Pois não é papel do sindicato defender um governo que também nos atacou durante muitos anos.

Também queremos convocar o dia 16 de junho irá ocorrer uma jornada de lutas contra estes ataques a classe trabalhadora. Será um dia de luta chamado pelo funcionalismo federal e temos que unificar nossas pautas para derrotar todos os governos que atacam nossos direitos. 


  • Contra as PPP’s de Pimentel/PT em Minas
  • Contra a terceirização nas escolas e dos ASBs
  • Pelo cumprimento de todos pontos do acordo e pagamento imediato do retroativo
  • Pelo imediato pagamento a todos trabalhadores da lei 100 que estavam de licença em dezembro de 2015
  • Contra Reforma da Previdência e o PL 257
  • Em defesa de todos os direitos da classe trabalhadora. 
  • Fora Temer, todos os corruptos e os reacionários do Congresso; 
  • Greve Geral pra derrotar os ajustes de Temer; 
  • Por um governo dos trabalhadores, sem patrões.

domingo, 8 de maio de 2016

DECLARAÇÃO DO MOVIMENTO EDUCAÇÃO EM LUTA SOBRE A PARALISAÇÃO NO DIA 10 DE MAIO

Está sendo feito um chamado pelo SindUTE-MG  e  pela CUT de uma paralisação nacional que acontecerá no dia 10 de maio. O chamado da paralisação é “em defesa dos direitos da classe trabalhadora e da democracia”, porém, na verdade, é uma chamada pela defesa do governo Dilma. 

Infelizmente, a direção estadual do SindUTE não fez o debate nas instâncias deliberativas da categoria (Conselho Geral ou Assembleia). 

Defendemos a organização de atos unitários em defesa de nossos direitos e contra os ataques de todos os governos.  No entanto Dilma vem aplicando um duro ataque a classe trabalhadora brasileira, como a redução do seguro desemprego, a proposta da reforma da previdência e os cortes de verbas na educação, ela enviou ao congresso. O PLC 257, enviado pela presidenta, que se aprovado será um retrocesso aos direitos dos servidores públicos, dificultando reajustes salariais e colocando em risco inclusive a proposta de abono de Pimentel em Minas com a Educação, será uma piora da Lei de Responsabilidade Fiscal aprovada por FHC (PSDB) e que o PT dizia  contra,  mas que quando esteve no poder não revogou. 

No mesmo sentindo, não concordamos com um provável governo Temer, que dará continuidade a um projeto de ataques a nossa classe. Temer, assim como Dilma, irá governar para a elite brasileira. Quer fazer um governo de conciliação com todos os partidos do congresso e  aprovar as reformas contra nossos direitos. 

É necessário uma Greve Geral neste pais, não para defender um governo, mas para derrubar todos eles e por eleições gerais já! Sem a participação de corruptos, sem financiamento de campanha por empresas, com tempo igual para todos apresentarem suas propostas. 

Temos que ter unidade para derrotar as medidas de retirada de nossos direitos propostas por Temer, Dilma e o congresso. 

FORA TODOS ELES!

Movimento Educação em Luta

terça-feira, 24 de novembro de 2015

CSP CONLUTAS FORTALECE SE FORTALECE NAS ELEIÇÕES DO SINDUTE-MG

CONSTRUIR UMA ALTERNATIVA INDEPENDENTE DOS GOVERNOS PARA AS LUTAS

Nos dias 09 a 13 novembro aconteceram as eleições para o SindUTE – MG. Foi um importante momento de debate para a construção de uma alternativa independente dos governos para o nosso sindicato. A CSP Conlutas e o movimento de oposição não montou uma chapa estadual e disputamos as subsedes e o Conselho Geral para o Sindicato.

Nestas eleições, nas subsedes onde a CSP Conlutas está presente percebemos há um clamor por uma alternativa dos trabalhadores para enfrentar os ataques dos governos, há um forte questionamento das medidas adotadas pelo Governo Dilma, que segue retirando direitos e cortando gastos na educação, também, diante da crise, há uma desconfiança com o governo Pimentel, e agora mais ainda quando ele anunciou que não cumprirá o acordo firmado com a Educação, assim como nas redes municipais onde os governos seguem a risca a retirada de direitos, como em Contagem onde o governo do PC do B aplica uma política claramente neoliberal.

Nós da CSP Conlutas denunciamos desde o inicio que não podemos confiar em Pimentel, na prefeitura de Belo Horizonte ele atacou duramente a educação, neste momento dá mostras claras que está ao lado dos empresários ao invés de nossa classe. Denunciamos nesta eleição onde estivemos que devemos nos preparar para lutar em defesa de nossos direitos e ir a Greve para que o acordo seja cumprido. Não podemos aceitar como desculpa a Lei de Responsabilidade Fiscal ou a crise econômica, Pimentel age da mesma forma que o PSDB e Dilma, jogando nas nossas costas a crise econômica.

As chapas onde a CSP Conlutas esteve presente tiveram um excelente resultado e apresentou um programa classista e que defende a ampliação da luta contra estas medidas. Em Juiz de Fora e Contagem a CUT se utilizou de um forte aparato para retomar as subsedes para o campo de defesa do governo, mas os trabalhadores disseram não e mantiveram as subsedes no campo da oposição. Em Contagem a CUT contou com o apoio inclusive do grupo Insurgência, que se aliou ao governismo e ao PCdoB, mesma política que este grupo aplica na eleição do SindREDE/BH lá a chapa deles é junto com o PT e PCdoB, a insurgência dá mostras claras que está ao lado da defesa do governo do que uma alternativa real de esquerda. 

Em Contagem a chapa que fizemos parte obteve 58% do votos e em Juiz de Fora a chapa da CSP Conlutas obteve 54,6% dos votos. A CSP Conlutas também se manteve na direção das subsedes do Barreiro, Monte Carmelo e Patrocinio, onde foi chapa única, e também em Uberlândia com composição com a CSD. Também ampliamos nossa participação no conselho. 

No conselho geral nossa votação também foi muito importante. Os conselheiros mais votados em Juiz de Fora, Victoria Melo, e em Contagem, Gustavo Olimpio, foram os mais votados. 

RESULTADO FINAL DAS ELEIÇÕES DO SINDUTE NA SUBSEDE/JF
Direção da Subsede: 
 chapa 1- 385.
 Chapa 2 (CSP Conlutas): 491. Brancos:
 08. Nulos: 15. 
Total de votantes: 899.

Conselho Geral: A subsede tem direito a 13 conselheiros de acordo com o número de filiados. 
Chapa 1: 03 conselheiros
Chapa 2 (CSP Conlutas): 11 conselheiros 
1º- Victória Mello(CSP/Conlutas): 467 votos
2º - Alessandro Furtado: 435 votos
3º- Nivalda Perobelli: 428 votos
4º- Givanildo Guimarães (Gil): 405 votos
5º- Celia Maria (Celinha): 402 votos
6º- Andre Nogueira: 402 votos
7º- Yara Aquino: 397 votos
8º- Berenice Alves (Berê): 390 votos
9º- Dea Lacerda: 380 votos
10º-Eleandro Fonseca (Lé): 380 votos
11º- Sonia Henriques (Soninha): 372 votos
12º- Gerson Guedes: 368 votos
13º- Jose Maria Carneiro: 368 votos

RESULTADO FINAL DAS ELEIÇÕES DO SINDUTE NA SUBSEDE/CONTAGEM

DIRETORIA DA SUBSEDE
Chapa 1 (Unidade e Democracia para a Luta) – 490 votos
Com militantes da CSP Conlutas
Chapa 2 (Quem Luta Educa e Conquista-CUT) – 356 votos

CONSELHO GERAL DO SINDUTE-MG
(São eleitos os 12 mais votados)
9 da Chapa 1 e 3 da chapa 2
1. GUSTAVO OLIMPIO SIQUEIRA ROCHA – 431 votos
2. SUELI CRISTINA DA ROCHA – 400 votos
3. ADRIANA FERRAZ MONTEIRO VERONEZ – 373 votos
4. BARBARA MIRANDA VILAÇA DE ALMEIDA – 368 votos
5. KELLY CRISTINA FONSECA – 364 votos
6. PATRÍCIA PEREIRA – 341 votos
7. IVANIL DO CARMO SILVA GOMES – 337 votos
8. FERNANDO CESAR RODRIGUES DA CRUZ – 317 votos
9. CIRIS SILVA TEIXEIRA – 300 votos
10. JACQUELINE ASSIS CORREIA DE MOURA – 283 votos
11. SANDRO SANTIAGO GUIMARÃES SIMÃO – 274 votos
12. WALTER ELIAS DAMASCENO – 274 votos

terça-feira, 29 de setembro de 2015

CONSTRUIR A UNIDADE NAS LUTAS E NAS ELEIÇÕES DO SINDICATO PARA ENFRENTAR OS ATAQUES DOS GOVERNOS


Estamos nos aproximando das eleições do SindUTE-MG e é hora de discutirmos qual deve ser o programa que a próxima diretoria estadual, as subsedes e os conselheiros precisa defender. Sabemos da importância que tem o SindUTE-MG para as lutas estaduais e nacionais. Nesse sentido apresentamos essa nota com o intuito de apontar quais seriam os melhores caminhos para essa eleição do sindicato e para fortalecer as lutas pelos nossos direitos, considerando o cenário do Estado de Minas Gerais e de nosso país.



Governos atacam os direitos dos trabalhadores

Diante da crise econômica que assola o mundo e o país, o governo Dilma escolheu proteger o lado das elites. Todas as medidas do governo petista com o seu aliado PMDB jogam a conta da crise nas costas da população trabalhadora. Vejam elas: o ajuste fiscal retira bilhões dos serviços públicos (9,4 bilhões de corte para a educação, 11,77 bilhões para a saúde além de diversos cortes e outras áreas sociais) e corta programas sociais; a criação do PPE (Plano de Proteção ao Emprego) que reduz salário e não garante o emprego; as MPs 664 e 665 que retiram direitos previdenciários e trabalhistas; o retorno da CPMF que atinge principalmente a população; o aumento dos juros; a inflação; suspensão concursos públicos, dentre outras medidas. O governo aprofunda as medidas de austeridade como parte do seu compromisso assumido com aqueles que garantiram a sustentação de seu governo diante da crise política que o ameaçou. Estamos falando de banqueiros (Itaú e Bradesco), Organizações Globo, FIESP e FIERJ, dentre outros conglomerados empresariais nacionais e internacionais. Considerando ainda a corrupção que subtrai bilhões de reais dos cofres públicos. Esse governo não pode ser defendido porque não governa para os trabalhadores, governa para o capital.

Também não pode haver confiança na oposição de direita chefiada pelo PSDB/DEM, pois estes partidos de fendem a mesma política que o PT está aplicando. Sabemos muito bem o que Aécio e Anastasia do PSDB fizeram com a educação em Minas: aplicaram um forte arrocho salarial, acabaram com nossa carreira, perseguiram os lutadores e atacaram de diversas maneiras nossa organização sindical. No governo FHC/ PSDB, 1994-2002, se aprofundou neoliberalismo no Brasil com privatizações e ataques a direitos sociais e trabalhistas. Devemos repudiar esses setores e lembrar a todos que esses sempre foram inimigos dos trabalhadores.



Em Minas a crise econômica é forte e o governo já anuncia dificuldades para pagar os servidores


A crise econômica também atinge o nosso estado. E mais uma vez quem está sofrendo com ela é a população trabalhadora, principalmente a juventude. Já são centenas de milhares de demissões na indústria, o custo da energia residencial aumentou quase 40% só esse ano e o governo Pimentel já anunciou que não mais fará nomeações, pois já está dependendo de depósitos judiciais para fazer o pagamento dos servidores. Isso acontece porque o governo Pimentel não mudou a lógica de governo, segue priorizando o pagamento das dividas aos bancos e a isenção de impostos para as empresas, em detrimento do investimento nos serviços sociais básicos com saúde, educação e moradia. Fora isso, o governo de Minas vem tratando os movimentos sociais como caso de Policia, como em BH quando reprimiu violentamente as manifestações das ocupações, como no caso  das ocupações da Isidora, e na manifestação contra o aumento das passagens. No interior agrediu e prendeu violentamente uma professora da rede estadual em passeata com os estudantes e fazendo o mesmo em Montes Claros com a índia Xacriabá no Grito dos Excluídos. O governo do PT foi eleito em Minas dizendo que faria diferente do que o PSDB fez, mas o que temos vendo ainda não é isso.


Temos visto o que vem acontecendo em outros estados, como no Rio Grande do Sul, onde o governo está parcelando o salário dos servidores e por isso o movimento se unificou e tem protagonizado diversas lutas e greves em defesa de seus direitos. Aqui tivemos uma forte campanha salarial no inicio do ano que conseguiu arrancar algumas vitórias parciais em nossas reivindicações, depois de anos de muitos ataques do PSDB. A proposta do governo ainda é muito insuficiente para nossas necessidades, queremos e precisamos do Piso para já, e não para 2018, nossa carreira não foi totalmente reconquistada e a situação dos trabalhadores da lei 100 ainda é uma incógnita, que o governo não quer se responsabilizar. Exemplo desses limites é a atual greve dos servidores das Superintendências, que já ultrapassa um mês e segue sem uma proposta razoável do governo.



As Prefeituras também retiram direitos.


Em Diversas cidades a situação não é diferente do plano federal e estadual. Os governos municipais rezam na mesma cartilha do governo federal, sejam estas prefeituras municipais do PT, PSDB, PMDB ou PC do B. Retiram gastos da saúde e educação, precarizam os serviços básicos para a população, terceirizam, retiram direitos e dão reajuste de 0% para os servidores públicos. No dia 30 a rede municipal de Belo Horizonte entrará em Greve, Ibirité já está de Greve.

Os municípios nos últimos anos tiveram aumento considerável da receita e agora querem jogar nas costas dos trabalhadores o ônus da crise.



Construir a unidade da categoria para garantir nossos direitos


Diante de momentos de ataques aos nossos direitos acreditamos que é muito importante a unidade para lutar, pois essa é a única possibilidade de sairmos vitoriosos. Mas para isso temos que manter nossa independência sem apoiar nenhum governo, pois todos eles independente da sigla estão nos atacando. Por isso fizemos muitas criticas a atual direção do SindUTE de ter participado de atos e manifestações em defesa do Governo Dilma. A tarefa das entidades dos trabalhadores é construir um campo de classe alternativo tanto ao governo quanto a oposição de direita.

No dia 18 de setembro a CSP-CONLUTAS junto com outras 40 entidades deram exemplo de que é possível mobilizar sem estar atrelados nem ao governo do PT nem a Oposição de Aécio e Cia. Na Marcha dos Trabalhadores e Trabalhadoras mais de 15 mil protestaram em São Paulo, contra o governo Dilma, Aécio, Cunha e Temer, e todos os partidos que apoiam o ajuste fiscal.

Nesse cenário de crise econômica, diante dos anúncios do governo, das vacilações do governo em cumprir o acordo e da possibilidade de haver ataques ao que já conquistamos, fazemos um chamado a todos trabalhadores e trabalhadoras em educação do estado a formação de um chapa unitária para eleições do SindUTE. Uma chapa que fortaleça o sindicato, que reúna todos aqueles e aquelas que participaram das lutas nos últimos anos e que tenha um programa de independência de qualquer governo e em defesa de nossos direitos. Chamamos a atual direção do SindUTE a rever sua participação nos fóruns e manifestações de defesa do governo Dilma, para que o nosso sindicato possa ser parte da formação desse campo alternativo de classe no estado e no país. Abaixo alguns pontos para iniciarmos a discussão de um programa para nosso sindicato.

  • Pimentel, cumpra o acordo com a educação. Não aceitaremos pagar pela crise!

  • Auditoria e suspensão imediata do pagamento da dívida pública! Que os recursos do Estado sejam usados para atender os trabalhadores e a população!

  • Em defesa da greve das SRE’s. É necessário pressionar o governo para que apresente uma proposta para esse setor.

  • Melhoria das carreiras dos ATb’s e ASB’s que também estão sofrendo com a defasagem no salário e com sobrecarga de trabalho.

  • Luta contra o ajuste fiscal e todas as retiradas de direitos que estão sendo aplicadas pelos governos federal, estadual e municipal; Por uma greve geral!

  • Pela independência política do sindicato perante os governos

  • Basta de Dilma, Aécio, Temer e Cunha. Nem governo do PT, nem os 

  • picaretas do PMDB e PSDB . Precisamos lutar contra os dois e construir uma alternativa dos trabalhadores, da juventude e do povo pobre.

  • Lutamos contra o machismo, o racismo e a homofobia.

  • Em defesa da democracia no sindicato; pela proporcionalidade na diretoria.

  • Em defesa dos direitos de todos(as) trabalhadoras em educação - designados, ex-efetivados, efetivos – Somos todos trabalhadores em educação!

  • Exigir do governo uma solução imediata para os ex-efetivados.

  • Pelo fortalecimento das subsedes do SindUTE

  • Contra a privatização da educação e dos serviços públicos;

  • Luta contra a meritocracia, o controle pedagógico docente e pela autonomia pedagógica;

  • Contra a terceirização e o PL 4330! Concurso público para todas as áreas com todos os direitos.

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Trabalhadores da Superintendências Regionais de Ensino de Minas Gerais em Greve



 Todo apoio a LUTA da SREs!  

A greve dos administrativos das Superintendências Regionais de Ensino iniciou no dia 27 de julho e vem se fortalecendo a cada dia. Inicialmente marcada para tempo determinado até o dia 18 de agosto. A Greve tem um alto índice de adesão (em torno de 80%) e fortes atividades regionais nos Estados, como as manifestações que denunciam o descaso do governo Pimentel (PT) e de seus antecessores Aécio e Anastasia (PSDB) com a pauta dessa categoria.



Os trabalhadores reivindicam uma distorção salarial em suas tabelas de vencimentos que faziam parte das negociações. Os técnicos (ATE) exigem uma diferença salarial com relação aos analistas (ANE) que hoje refletiria um aumento em seus salários em torno de 60%. Essa reivindicação existe pelo fato dos salários dos técnicos terem sofrido uma defasagem com relação aos analistas. A diferença salarial que era de 20% hoje é de 80 % aproximadamente entre ATE e ANE. Já os analistas (ANE) exigem a equiparação salarial como os Analistas Inspetores (ANE-Inspetor). Cargos com mesma escolaridades e carga horárias.



Esta pauta que estava em negociação ficou secundarizada pelo governo, juntamente com as negociações do plano carreira de toda a educação e a resolução do quadro escolar (resolução essa que trata de vários problemas da educação atual como salas superlotas, direito de substituição de servidores em licença, etc) .



 Indignados com o descaso dos governos resolveram pressionar a direção estadual do SINDUTE MG  para chamar uma assembleia específica e iniciar o movimento grevista a fim de que o governo reabrisse as negociações.  No entanto não parece ser essa a dinâmica do governo petista de  Pimentel, mesmo diante de mais de mil trabalhadores das SREs em manifestação ontem na Cidade Administrativa o governo não sinalizou com nada.


Indignados também estão os administrativos do interior das escolas que possuem salários equiparados aos das superintendências  e ensaiam também adesão ao movimento grevista. Outro setor que também apresenta indignação com relação aos baixos salários são auxiliares de serviços gerais. 


O Movimento Educação em Luta e a CSP Conlutas apoia à greve das SREs e é necessário muita unidade da categoria para garantir a valorização de toda a educação. Não podemos permitir que a defesa da Educação fique no discurso vazio dos governantes e que se use a desculpa da crise para não garantir nossos direitos. Pimentel fez uma concessão ao pagar o piso para os professores, mas foi para 2018, nossa  reivindicação tem que ser para já e também a carreira deve ser valorizada. 


Temos que seguir o exemplo dos Servidor

es Públicos do Rio Grande do Sul e unificar a luta de todo o funcionalismo em defesa dos nossos direitos. 



Se educação é prioridade priorize a correção das tabelas salariais dos trabalhadores das SREs!

Victoria Mello
Juiz de Fora




domingo, 17 de maio de 2015

Categoria em Luta Conquista Piso Salarial Nacional, Mas só em 2018



O acordo firmado, com grande visibilidade na mídia, entre o governo de Minas e o SindUTE MG está sendo muito celebrado por todos, por um lado a categoria percebendo que nossa luta valeu a pena e por outro o governo que tenta dizer que foi um grande feito no inicio de sua gestão.




De fato, diante dos terríveis ataques sofridos por nossa categoria durante as gestões do PSDB, como arrocho salarial; a retirada de direitos; a piora nas condições de trabalho; o assédio moral; o cerceamento ao direito de greve etc., a contra proposta final apresentada por Pimentel às nossas reivindicações representa um inegável avanço. 




Mas nossa luta não acaba aqui ainda há muito para ser feito e não podemos nos esquecer que o compromisso de Pimentel nas eleições de 2014 era de pagar o piso salarial nacional em 2015 e não em 2018.




A luta da categoria fez Pimentel melhorar a proposta





Pimentel é um político experiente e, analisando o papel dos trabalhadores em educação de Minas na derrota de Aécio; as enormes lutas que fizemos mesmo nos períodos de muita repressão dos tucanos; o apoio da sociedade à nossas lutas e a grande expectativa gerada por suas declarações e acordos assinados no período eleitoral, avaliou que um enfrentamento com nossa categoria logo no início de seu mandato seria muito prejudicial à sua carreira política.  Além disso, Pimentel traz na memória os enfrentamentos que o magistério da rede municipal de BH fez com sua gestão frente à prefeitura daquela cidade, quando ele cortou direitos, arrochou salário,  cerceou direito de greve com corte de ponto e perseguiu os sindicatos municipais, como o  Sindrede e o  Sindibel. 




Diante de uma realidade de dificuldade financeira, não só por causa da dilapidação dos cofres públicos feitos pelos governos do PSDB, mas também da crise econômica que assola o país, Pimentel adotou a tática de oferecer uma contraproposta muito rebaixada (abono de 160,00, sem reajuste até 2018, exclusão dos aposentados, tratamento diferenciado aos outros segmentos, certificação etc)  e aguardar a reação da categoria e da direção do SindUTE MG.  




A  enorme indignação, as declarações de frustração  e a grande  possibilidade de enfrentamento dos educadores com seu governo, fez Pimentel recuar e ir medindo passo a passo os  avanços possíveis até chegar à contraproposta aceita pela direção estadual do sindicato  e aprovada pela categoria em assembleia no último dia 14/05.




Nós, do MEL – Movimento Educação e Luta -  e da CSP - Conlutas estivemos em todos os momentos dessa luta e  avaliamos que a contraproposta significa avanço importante porém insuficiente.





Na assembleia colocamos nossa posição de que  era de que o acordo era sim um avanço, e que diante da crescente mobilização da categoria era possível avançar em pontos onde ainda há problemas. Seria um erro recusar o acordo, mas era possível melhorar. 




O governo Pimentel (PT)  reconhece o Piso, mas apenas para 2018; a carreira continua com os ataques desferidos por Anastasia; os ASBs permanecem sem vale transporte, com vínculo precário por falta de concurso público e sobrecarregados pelo número reduzido de funcionários; os ATbs e servidores das SREs sem suas reivindicações específicas atendidas; os servidores da ex lei 100 sem direito a aposentadoria; a permanência da superlotação das salas de aula; da extinção do turno noturno; da obrigatoriedade do módulo II; das avaliações de desempenho e externas; da precariedade do atendimento no Ipsemg, vários trabalhadores que estão sendo nomeados estão sendo considerados inaptos pela perícia média, mesmo aptos para trabalhar como designados. 




Sobre o concurso do que adianta nomear 15 mil trabalhadores este ano, se a maioria está sendo barrada na perícia médica. Segue as orientações do governo do PSDB para os peritos barrarem todos. Não há um critério claro da SEPLAG, as denúncias são muitas. Pessoas com problemas de voz já curados ou que não afetam diretamente o exercício da profissão, pessoas com exames e laudos de outros médicos que demonstram que não há nenhum problema de saúde, etc. A direção do sindicato deve pauta o quanto antes este problema na mesa de negociação para que todos os casos sejam revisto e parem com este política nefasta. 




A direção do SindUte e a categoria aceitaram a contra proposta do governo, mas as mobilizações pelas reivindicações não atendidas não pode parar. Devemos continuar  reivindicando o que nos é de direito: Piso salarial já! rumo ao piso do Dieese, a recomposição da carreira, melhores condições de trabalho e atendimento no nosso instituto de saúde. 




As lutas dos educadores por todo o país. CNTE, mais uma vez, não cumpre seu papel





Em todo o país o educadores lutam por  direitos, Piso Nacional, Carreira e valorização. Desde o início do ano cinco estados já fizeram greve, cinco estão em greve no momento e doze estão em campanha salarial, e há greves também em inúmeros municípios, dentre eles Macapá, Juiz de Fora e Betim. Professores foram massacrados pela PM no Paraná causando uma comoção nacional. 




Diante de toda essa luta o que faz  a CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação- ao qual o sindUte é filiado?  Apenas uma paralisação as vésperas de um feriado nacional. Perante o clamor por uma unificação nacional das lutas da educação a CNTE se cala, como se calou em 2011,  e deixa cada estado e município com suas lutas isoladas e assim  com menores chances de alcançar seus objetivos.




O MEL e a CSP Conlutas repudiam o silêncio da CNTE frente às lutas do magistério  e exige que ela exerça seu papel de convocar uma greve geral da educação para que todos os trabalhadores em  educação desse país ganhem o piso salarial, tenham plano de carreira e condições dignas de trabalho.



Dia 29/05 tem paralisação nacional da classe trabalhadora


Contra o ajuste Fiscal de Dilma e ao PL das terceirizações do Congresso de Eduardo Cunha





Da mesma forma conclamamos a CUT e outras centrais sindicais a organizar uma greve geral da classe trabalhadora para derrubar o PL 4330 das terceirizações e as MPs 6644 e 665 do governo Dilma que já estão no senado. Infelizmente assistimos os deputados do PT e do PCdoB votarem a favor do ajuste fiscal e contra os trabalhadores. Isso mais uma vez nos demonstra que não podemos confiar em governos e parlamentares e que só a luta unificada de toda a classe trabalhadora é capaz de conter os ataques dos patrões e dos governos.





  • 10% do PIB pra educação pública já!
  • Piso Salarial Já! Rumo ao piso do Dieese
  • Recomposição da Carreira
  • Não ao módulo II
  • Atendimento das reivindicações dos ASbs, ATbs e SREs
  • Aposentadoria para os ex servidores da lei 100
  • Não ás avaliação de desempenho e avaliações externas
  • Por atendimento de qualidade no Ipsemg
  • Fim da política discriminatória na Pericia Médica
  • Não ao ajuste fiscal de Dilma e ao PL 4330
  • Greve geral da educação e da classe trabalhadora